quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Parque Jornalista Eduardo Couri




O jornalista Eduardo Couri foi um ícone do século passado na chamada coluna social, ainda hoje em evidência em alguns jornais impressos e internet.

Ele trabalhava no diário ‘Estado de Minas”, era íntimo de “dondocas”, políticos e empresários, arrecadava milhões para obras sociais no seu “Showçaite”.

Virou nome de parque, o nosso Parque da Barragem Santa Lúcia, na verdade Parque Jornalista Eduardo Couri. Está lá, no monumento em sua homenagem, hoje degradado e sujo, uma janela para o lago.

O monumento fica no alto, uma espécie de pracinha, pertinho do quiosque do açaí, e mostra o perfil do jornalista em seu traje típico de festa, com uma gravata borboleta, do smoking.

Lembra os tempos nos quais o “Estado de Minas” era o jornal forte do Estado – “não deu no Estado, não é notícia”, diziam na época. 

Hoje o jornal está falindo, prestes a fechar as portas, com dívidas trabalhistas impagáveis e um enorme desrespeito para com os profissionais que ainda ali estão, os mais velhos, de indenizações mais altas.

O jornal sofreu até uma inédita greve de jornalistas no mês passado. Parece que não chega ao final do ano.


terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Miran retorna ao parque e recolhe inspiração para novas telas


O arquiteto Frederico Miranda Diniz (foto) esteve outro dia visitando o Parque da Barragem Santa Lúcia. Mas foi uma “visita técnica” com olhos de especialista, ele que estava interessado em participar da concorrência para a construção do novo Parque da Barragem.

Frederico é também artista plástico, o Miran, e participa do animado, exclusivo e talentoso grupo que se reúne no atelier de Selma Weismann, em Belo Horizonte. Do grupo faz parte também o artista Tibi Dias.

Frederico gostou do que viu no parque, que ele conhece desde criança, pois nasceu e se criou no bairro de Lourdes, assim como seu companheiro de caminhada e presidente da Associação de Amigos do Parque da Barragem Santa Lúcia, este editor Eustáquio Augusto dos Santos.

O arquiteto não vai participar da concorrência. O grupo econômico do qual faz parte desistiu no último momento e decidiu, neste momento de crise pelo qual passa o país, esperar novos tempos para investir.

E Miran, de sua parte, resolveu voltar para o atelier e se dedicar mais às artes plásticas, que o momento está mais para pincel e tela do que para prancheta e caneta nanquim.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Anibal, o ganso do parque, resiste e não vira foie gras


O Parque da Barragem Santa Lúcia já teve cerca de trinta patos e gansos até o ano passado, levados principalmente por um economista que gosta dessas aves e as comprava no mercado municipal para divertir sua neta.

As aves deram nova via ao lago do parque, mas desapareceram, viraram jantar de alguém. Agora não chegam a cinco ou seis.

Mas tem um ganso por ali que anda dividindo com a velha garça a ilha do assoreamento ao lado das grades do vertedouro. 

E chama atenção. Pela beleza e tranquilidade, apesar de os gansos terem fama de serem ótimos vigias, até mais do que cachorros.

Segundo a Wikipédia, os gansos foram domesticados no antigo Egito, para produção de carne e penas para fabrico de flechas. 

Os gansos domésticos são mais ativos durante a noite e, dado o seu sentido territorial, podem exercer funções de cão de guarda. O foie gras é fabricado a partir de fígado de ganso. A ave em cativeiro vive até 50 anos.


domingo, 7 de fevereiro de 2016

Cel Piccinini conhece projeto do Museu de Ciências Forenses da PF

Perito Wenderson do Carmo Maia, vereador coronel Piccinini, perito Gyovany Gomes, e engenheiro Eduardo Calazans, presidente da Associação de Moradores da Cidade Jardim (fotos Eustáquio Augusto dos Santos)

O vereador coronel Piccinini, PCB, do mesmo partido do prefeito Marcio Lacerda, esteve no antigo prédio da Faculdade de Odontologia da UFMG para conhecer o ambicioso projeto de implantação do Museu Nacional de Ciências Forenses ali na Cidade Jardim.

Este museu de tecnologia pura a ser implantado pela Polícia Federal será um laboratório de ciências na luta contra o crime e já tem assegurados cerca de R$11 milhões em emendas de deputados federais mineiros.

Os moradores da Cidade Jardim e dos oito bairros circunvizinhos aplaudem a iniciativa, até mesmo pela ocupação de um prédio abandonado na valorizadíssima rua Conde Linhares com Josafá Belo.

Dará uma destinação técnico-cultural para o prédio, além de criar um novo circuito de entretenimento, ao lado do Museu Abílio Barreto, onde BH nasceu, e abrindo as portas para o corredor que chegará ao novo Parque da Barragem Santa Lúcia.

O vereador coronel Piccinini gostou do projeto, apesentado pelos peritos da PF, Gyovany Gomes e Wenderson do Carmo Maia, e prometeu conseguir os R$38 mil iniciais para que a PF possa tomar posse prática do prédio, com limpeza, ligação de água, luz e esgotos, vigilância e instalação do escritório de projetos no prédio.

Piccinini, também presidente do Clube dos Oficiais da PM, vai realizar um bingo na sede do Prado com o objetivo de arrecadar dinheiro, mas, principalmente, como forma de divulgação do projeto junto aos seus pares policiais militares.


sábado, 6 de fevereiro de 2016

Patrícia e Rafael, a família cresce


Engenheiros civis, Patrícia Amaral e Rafael Camargo (foto) acabam de completar um ano de casados. 

Ele curitibano, que chegou à capital para trabalhar, ela belo-horizontina, conheceram-se em uma casa noturna, namoraram, e hoje formam um jovem casal, de bem com a vida, ambos empregados, apesar da crise que atinge quase todos os setores da economia nacional.

Rafael é calculista, com mestrado em Engenharia Estrutural. Patrícia é engenheira de obras. Moram no São Bento. Juntos, frequentam uma academia perto de casa e caminham na Bento Simão.

O Parque da Barragem fica reservado para as manhãs de sábado, quando curtem a lagoa enquanto saboreiam um coco gelado.

Neste mês, a família vai crescer, mas engana-se quem pensou no primeiro bebê do casal: eles vão receber em casa o schnauzer que compraram e que espera apenas a data certa para ganhar um novo lar.

Como milhares de brasileiros, Patrícia e Rafael ainda não pensam em ter filhos. Nos planos para este ano, apenas o cachorrinho.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, aliás, confirmam essa tendência: nas famílias brasileiras, os berços das crianças dão lugar aos animais de estimação.

A pesquisa indica que, de cada cem famílias, 44 criam cachorros, enquanto somente 36 têm crianças de até 12 anos de idade. Os números chegam a assustar: são 52 milhões de cães contra 45 milhões de crianças.

E a tendência, de acordo com o Instituto, é de que haverá cada vez mais espaço nas casas para os animais e menos para os filhos pequenos. 

Na contramão da crise, o mercado em torno dos novos filhos de quatro patas movimenta, a cada ano, no Brasil, uma cifra nada desprezível, que beira os R$ 20 bilhões. (Post Tetê Rios) 

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Pombos emporcalham a praça José Cavalini, o fundador da maior lavanderia de BH

Busto de José Cavalini, na praça em sua homenagem, fundador da Lavanderia Eureka, na rua Irai, onde hoje funciona o EPA, e que chegou a ser a maior lavanderia da América Latina. Ela não existe mais, fechada há cerca de 15 anos.

A praça José Cavalini está se transformando em sério problema de saúde pública criado pela enorme quantidade pombos que se alimentam e emporcalham a área, causando graves transtornos.

A literatura registra pelo menos quatro doenças sérias transmitidas por estes “ratos voadores”, como a Criptococose - micose profunda, que ataca o sistema nervoso central. 

Os sintomas são: febre, tosse, dor torácica, podendo ocorrer também cefaleia, sonolência, rigidez da nuca, acuidade visual diminuída, agitação, confusão mental. São transmitidas através da inalação de poeira contendo fezes de pombos contaminadas pelos agentes etiológicos.

Também transmitem a Ornitose, Salmonelose e Dermatites - provocadas pela presença de ectoparasitas (ácaros) na pele, provenientes das aves ou de seus ninhos.

Além das doenças, causam outros problemas como o entupimento de calhas; apodrecimento de forros de madeira; danos a monumentos históricos, em antenas de TV, em pintura de carros (devido à acidez de suas fezes); contaminação de grãos; acidentes aéreos ou terrestres.

E tudo isso porque as pessoas insistem em alimentar os pombos da praça José Cavalini, sem perceber que ao entupir calhas, por exemplo, estas aves estão proporcionando novos criadouros para o Aedes aegypti.


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Luzia Ferreira também aplaude Novo Parque da Barragem


A secretária municipal de Políticas Sociais, Luzia Ferreira, recebeu em seu gabinete os jornalistas Eustáquio Augusto dos Santos, editor, e Tetê Rios, repórter do BLOG PARQUE DA BARRAGEM.

O jornalista Eustáquio Augusto dos Santos compareceu à reunião na condição de presidente da Associação de Amigos do Parque da Barragem Santa Lúcia, e informou à secretária que o Novo Parque poderá se tornar um marco, um polo de desenvolvimento da microrregião que se convencionou chamar de Cidade Sul, tendo a avenida Prudente de Morais como seu eixo principal de circulação.

Luzia Ferreira disse ter gostado “muito do projeto”.


“A iniciativa dos usuários, organizados em associação de amigos, de apresentar à PBH o projeto de revitalização e ampliação do parque é um ganho para a cidade e para a população. União de todos pelo bem comum. Contem com meu entusiasmo e meu apoio.”