segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Saltos, escaladas, tombos e prazer, este o Parkour, uma filosofia de vida urbana


O Parkour é uma experiência física, um modo de vida que cada dia mais jovens estão aderindo, especialmente nos grandes centros urbanos, com muitos parques, praças e obstáculos, de maneira que possam ser vencidos por saltos, escaladas, flexões, muitos arranhões, alguns ossos partidos e uma enorme satisfação por quem pratica este esporte do século XXI.

Criado na periferia de Paris, na França, por filhos de imigrantes árabes, o Parkour (parcour, percurso) ainda é uma atividade marginal, que depreda equipamentos públicos, pelo enorme esforço que suportam ao receber impactos de dezenas de quilos, corpos que caem de 4 ou 5 metros de altura, ou em velocidade.

Pertinho do Parque da Barragem Santa Lúcia, a “pracinha da Iraí”, praça João Ivo de Azevedo, ao lado do posto de Saúde Tia Amância, já é um ponto conhecido pelos praticantes do Parkour.

Rafael Ferreira Barros, 24 anos, formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, desempregado, e Luiz Henrique Costa Gonzaga, 24 anos, formado em educação física, saíram dos bairros do Calafate e da Floresta para se aventurarem nos muros e corrimões da pracinha.

Rafael, mais velho na atividade, até criou seus sete passos para explicar porque está no Parkour: 

1. Pela atividade física; 2. Para conhecer seu próprio corpo; 3. Para se adaptar ao dia a dia nas ruas; 4. Para se organizar física e mentalmente para algumas profissões de muito esforço, como na construção civil ou indústria naval; 5. 6. e 7. pela filosofia de Jackie Chan, o ator chinês, fugir ao invés de lutar, fugir de desastres naturais, como deslizamentos ou inundações; e fugir dos confrontos armados, especialmente nestes do dia a dia. 




Luiz Henrique Costa Gonzaga e Rafael Ferreira Barros, o Parkour como filosofia de vida

2 comentários:

  1. Ontem no Esporte Espetacular passou uma matéria sobre um campeonato mundial que aconteceu na cidade de São Paulo de Parkour, achei interessante para divulgar o esporte conhecido por poucos...
    Uma sugestão: BH é uma das cidades mais sujas por pichações seria interessante reunir pessoas que utilizam os espaços públicos como os praticantes de Parkour em uma campanha por uma cidade mais limpa...

    ResponderExcluir
  2. Maria Augusta Palhares6 de janeiro de 2016 14:18

    Esta pracinha se transformou no "point" de Parkour em BH. A prefeitura deveria mesmo reforçar o corrimões e colocar outros obstáculos para melhorar a performance dos atletas.

    ResponderExcluir