sábado, 22 de março de 2014

O dia certo dos puxa-sacos

Coluna do Pacome

Carlos Eduardo Guilherme

Ao contrário do se imagina, os puxa-sacos não existem somente nas repartições públicas, são também figurinhas manjadas no cotidiano das pessoas. 

Políticos e chefes adoram puxa-sacos. Para se manter no emprego, muitos profissionais não se hesitam, “dependuram” no saco dos superiores hierárquicos e os agarram com unhas e dentes. Não há como exterminá-los, pois se você mata um, existem tantos outros na fila de espera. 

Essa expressão surgiu a partir de uma gíria militar. Os oficiais não colocavam suas roupas em malas, mas em sacos durante as viagens, quem as carregava, obedientemente, a bagagem para cima e para baixo, eram os soldados. 

Puxar esses sacos virou sinônimo de subserviência. E para quem não sabe, puxa-saco tem até dia, comemorado, informalmente, em 20 de dezembro. 

É o dia limite para o pagamento da segunda parcela do 13º salário. Dizem que, nessa data, todos os puxa-sacos saem na surdina pelas ruas à procura do presente de Natal dos respectivos chefes

2 comentários:

  1. Interessante.
    Jamais poderia imaginar a origem deste termo.
    Ivan Kallas

    ResponderExcluir
  2. Ângela de Andrade23 de março de 2014 14:15

    Também achei interessante, não supunha e muito menos sabia que havia o dia dos puxa-sacos.
    A história deles irem comprar o presente dos chefes assim que recebem a segunda parcela do décimo terceiro salário é hilária.
    Gostei.

    Ângela

    ResponderExcluir