sábado, 18 de janeiro de 2014

Valéria Delfim, a escultora da fé


A escultura é uma arte antiga, vem da pré-história, em argila, pedra e marfim. A tradição diz que já partir de 3.000 anos antes de Cristo os homens esculpiam também em bronze, com moldes e fundição.

Valéria Delfim (foto) é artista plástica e optou por ser escultora, de figuras humanas monumentais, em bronze, como a do Profeta Jeremias, aquele que foi historiador, criticava o reino de Judá e está também em lugar de destaque em Congonhas, esculpido em pedra sabão pelo mestre Aleijadinho.

O Jeremias (fotos abaixo) em bronze de Valéria Delfim faz parte do acervo do Parque Municipal Américo Renné Ganetti. Ela, porém, para caminhadas, continua preferindo o Parque da Barragem, pois mora no Santa Lúcia e faz parte do grupo de artistas congregados em torno de Yara Tupynambá, moradora da Vila Paris.


Valéria Delfim é uma artista alegre, expansiva, tem seu enorme ateliê no bairro Nacional, em Contagem, e promete uma escultura magnífica para homenagear aquele que resolver o problema de segurança no Parque da Barragem. Que é sério e até merece mesmo um busto.




4 comentários:

  1. Ângela de Andrade20 de janeiro de 2014 14:10

    Parabéns para Valéria Delfim! Belíssimo o seu trabalho.
    Abraço,
    Ângela

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ângela
    Muito obrigada, tenha um lindo final de semana.

    ResponderExcluir
  3. Valeriano (poema para Valéria Delfim, escultora), consta da obra (em preparo final) "Exercícios de Partida" prefaciada por Fábio Lucas

    Textura (pó) mármore resina barro argila (cozida vira terracota
    laranja acastanhada) peça molde bronze amalgamada fundição.
    Solta as mãos (recurvada) do piano (olhos de sonata) e segue à
    forja. Mulher sem joia (teve tantas), no umbral (ombro direito) a
    florescer quebra e colagem. Gosta do sem enfeites – (só queria
    ser amada). Atenas Pensativa Del Fim Del Início Del siècle fin
    Quimera (vapor) elevado Pedestal onde pondera a Obra de Arte.

    ResponderExcluir
  4. Valeriano (poema para Valéria Delfim, escultora), consta da obra (em preparo final) "Exercícios de Partida" prefaciada por Fábio Lucas

    Textura (pó) mármore resina barro argila (cozida vira terracota
    laranja acastanhada) peça molde bronze amalgamada fundição.
    Solta as mãos (recurvada) do piano (olhos de sonata) e segue à
    forja. Mulher sem joia (teve tantas), no umbral (ombro direito) a
    florescer quebra e colagem. Gosta do sem enfeites – (só queria
    ser amada). Atenas Pensativa Del Fim Del Início Del siècle fin
    Quimera (vapor) elevado Pedestal onde pondera a Obra de Arte.

    ResponderExcluir